Indicações de livros imperdíveis

Tanto impresso, quando em kindle (inclusive alguns estão disponíveis no Kindle Unlimited)






Como participante do Programa de Associados da Amazon, sou remunerado pelas compras qualificadas efetuadas!


ISBN: 978-8532528421
Autor (a): Austin Kleon
Tradução: Leonardo Villa-Forte
Número de páginas: 160
Ano:
 1ª edição, 1º julho/2013 
R$
25,45 Compre aqui: https://amzn.to/32n2M9C ou gratuito na assinatura KindleUnlimited
Editora: Rocco
Pontuação: ♥ ♥

Sinopse (Amazon):

Verdadeiro manifesto ilustrado de como ser criativo na era digital, Roube como um artista, do designer e escritor Austin Kleon, ganhou a lista dos mais vendidos do The New York Times e figurou no ranking de 2012 da rede Amazon ao mostrar – com bom humor, ousadia e simplicidade – que não é preciso ser um gênio para ser criativo, basta ser autêntico. Baseado numa palestra feita pelo autor na Universidade do Estado de Nova York que em pouco tempo se viralizou na internet, Roube como um artista coloca os leitores em contato direto com seu lado criativo e artístico e é um verdadeiro manual para o sucesso no século XXI.

Meu ponto de vista

Um daqueles livros que, se for levar em conta o tamanho, gráfico, diagramação e fluidez, pode ser lido em menos de um dia. Mas, se a ideia é aprofundar o que é exposto e de fato colocar em prática, o conselho é lê-lo com calma. Fazendo reflexões em relação ao que fazemos e como podemos melhorar. 

Tem MUITA lição de moral e gatilhos que nos fazem não querer ficar parado. Nos incentiva a tirar os projetos do papel e a perceber que não precisamos reinventar a roda. É uma leitura válida tanto para quem já se percebe como alguém criativo, quanto para quem ainda não se percebe assim e/ou não tem certeza. 

Apesar de tocar em coisas simples da vida, são lições que vão além de frases bonitinhas ou "instagramáveis" (aquelas frases que todo mundo quer postar na rede social Instagram) como temos visto nos últimos tempos . 

A minha experiência de leitura foi com o kindle (no programa KindleUnlimited), mas confesso que já fiquei desejando comprar o livro só para ter as anotações na cabeceira, além de tê-las aqui no blog e no bloco de notas. Uma coisas curiosa que percebi durante a leitura é que nem todos os destaques que apareceram como feitos por outras pessoas, são coisas que para mim faz sentido - e isso eu relaciono ao fato de já me identificar no grupo das pessoas criativas, então, algumas "lições" para mim era mais algo do tipo: huhul tô no caminho certo :)  Por isso que afirmo que, mesmo para nós que já nos enxergamos no grupo das pessoas vistas como "loucas" por alguns, ainda assim encontramos coisas para aproveitar no livro. 

 Agora, como de praxe por aqui, segue as citações do Livro Roube como um Artista que destaquei. 


O que é originalidade? Plágio não detectado.(posição 55, e-book Kindle)

Quanto mais ideias boas você tiver coletado, mais fontes terá para poder escolher quais irão te influenciar. Roube qualquer coisa que ressoe em você, que inspire ou abasteça sua imaginação. (posição 77, e-book Kindle)

Adoro o livro Só garotos, da cantora e poeta Patti Smith. É uma história sobre como dois amigos que queriam ser artistas se mudaram para Nova York. Sabe como aprenderam a ser artistas? "Você começa como um impostor e torna-se real" - Glenn O'Brien Eles fingiam ser artistas. (posição 139, e-book Kindle)

Copiar é engenharia reversa. (posição 153, e-book Kindle)

Primeiro você tem que descobrir quem vai copiar. Depois, tem que descobrir o que vai copiar. (posição 162, e-book Kindle)

Para o escritor Wilson Mizner, se você copia de um autor, isso é plágio, mas se você copia de muitos, é pesquisa. (posição 165, e-book Kindle)

Quando chegou a hora de organizar Newspaper Blackout, eu escaneei todos os poemas e os imprimi pequenos, cada um do tamanho de um quarto de uma folha de papel. Então os espalhei pelo meu escritório, rearranjei em pilhas e depois em um monte cuja ordem copiei de volta para o computador. Foi assim que o livro foi feito – primeiro mãos, depois computador, depois mãos e depois computador. Um tipo de loop analógico-digital.(posição 256, e-book Kindle)

Você não tem que compartilhar tudo – na verdade, às vezes é melhor não. Mostre apenas um pouco do que está fazendo. Compartilhe um esboço, um rabisco ou fragmento. Compartilhe um vislumbre do seu processo. Pense sobre o que você tem a compartilhar que seria de valor para as pessoas.(posição 346, e-book Kindle)

A comida deve ser boa. Você tem que achar um lugar que o alimente – criativa, social, espiritual e literalmente. (posição 394, e-book Kindle)

O comediante Jerry Seinfeld tem um método de calendário que o ajuda a se manter em sua criação diária de piadas. Ele sugere que você arranje um calendário que te mostre o ano inteiro. Depois, você divide seu trabalho em sessões diárias. Todo dia, ao terminar o trabalho, marque um X grande e gordo no espaço daquele dia. Todo dia, ao invés de apenas fazer o seu trabalho, pense em só preencher aquele espaço. “Depois de alguns dias você terá uma corrente”, diz Seinfeld. “É só seguir isso e a corrente vai crescer cada vez mais todo dia. Você vai gostar de ver essa corrente, principalmente quando estiver mais experiente, com a bagagem de algumas semanas. Seu único trabalho é não quebrar a corrente.(posição 495, e-book Kindle)

Arranje um calendário. Preencha os espaços. Não quebre a corrente. (posição 501, e-book Kindle)

Nessa era de abundância e sobrecarga de informação, aqueles que estarão à frente serão aqueles que souberem o que deixar de fora, para assim poderem se concentrar no que é realmente importante. Nada é mais paralisante do que a ideia de possibilidades ilimitadas. A ideia de que você pode fazer qualquer coisa é apavorante. (posição 527, e-book Kindle)

No fim das contas, criatividade não é apenas o que escolhemos usar, são as coisas que escolhemos deixar de fora. (posição 544, e-book Kindle)

E você, já leu esse livro? O que achou? Quais foram os pontos altos/baixos para você? Já leu os demais livros dessa coleção do autor? Eu confesso que já estou com uma listinha dos próximos - só esperando entrarem no pacote do KindleUnlimited rsrs

Um Abraço, boa leitura e até a próxima parada!

Ana Laura Queiroz


Como participante do Programa de Associados da Amazon, sou remunerado pelas compras qualificadas efetuadas

ISBN: 978-85-68941-30-0
Autor (a): Aluísio Cavalcante Jr.
Tradução: ----
Número de páginas: 51 
Ano: 2019

Editora: CeNE
Pontuação: ♥ ♥



O menino que colecionava Estrelas


Sinopse: Através de uma perspectiva lúdica, O menino que colecionava estrelas ensina sobre valores como amor, amizade, respeito, solidariedade e muito mais. A leitura possibilita desde a aquisição de novas palavras, até o desenvolvimento do pensamento crítico das crianças, que permite que elas reflitam sobre o que foi lido. O resultado é um processo natural de transformação das atitudes e hábitos da criança.


Meus pareceres: Sabe quando a gente espera um monte do livro? Então, com esse foi assim. Já fiquei imaginando um livro divertido e leve, feito para crianças e com uma linda lição no final. Mas me decepcionei e muito. O livro é confuso. As ora as páginas tem texto demais, ora de menos - o que dificulta a delimitação da idade da criança que lerá. A história não segue uma sequencia lógica de pensamento e acaba se perdendo. O que mais me irritou é que no final dá a impressão de que está falando como se fosse uma releitura do pequeno príncipe, mas uma releitura que não chega aos pés do original. 

Se tem ponto positivo? Sim. A capa e as imagens são lindas. A contracapa, onde tem a ficha catalográfica é perfeita. Me apaixonei pela forma como apresentam isso às crianças. 

É realmente uma pena que a obra não tenha ficado nem para criança, nem para adolescente, nem para adulto :( Faltou a revisão de alguém especializado em literatura infanto-juvenil/infantil. 

Dessa vez, não temos frase destaque :(

E você, já se decepcionou com um livro? Como reage quando passa por isso?/
Olá, tudo bem com vocês? Comigo sim!

O post de hoje não é uma resenha, mas sim um convite - em especial aos que são apaixonados pela literatura juvenil - para o lançamento de um livro e sessão de autógrafos com a escritora Thalita Rebouças.

No início desta semana recebi o comunicado da assessoria de imprensa do Garten Shopping Joinville de que a renomada escritora e jornalista Thalita Rebouças estará por aqui em Joinville, na sexta-feira agora, para lançar o livro ‘Confissões de um garoto tímido, nerd e (ligeiramente) apaixonado’. Ela fará um bate-papo com o público e participará de sessão de autógrafos.

Confira um trecho do livro nesse link aqui, site da Editora Arqueiro.
Thalita Rebouças está entre os escritores que mais vendem livros direcionados ao público adolescente aqui no Brasil e já está em seu 22º livro! Seu primeiro sucesso foi "Traição entre Amigas"(2000), que inclusive apareceu em uma Bienal do Livro. Desde então, não parou de lançar novos títulos e já vendeu mais de 1 milhão e 500 mil livros. Em 2005, começou a assinar a coluna Fala Sério! na última página da Revista Atrevida.

Nos últimos anos, além dos livros terem sido publicados em outros países (inclusive com versão em Espanhol), a autora tem contado com a "disputa" entre produtoras para adaptar os seus livros para o cinema, música e teatro! Um exemplo desse fato é o livro "Uma fada veio me visitar" que foi adaptado recentemente no filme "É Fada", protagonizado pela youtuber Kéfera Buchmann.


Mais detalhes sobre o lançamento do livro e autógrafos da Thalita Rebouças, aqui em Joinville:

Quando: sexta-feira, dia 7 de julho, às 19h30
Onde: Garten Shopping, próximo ao Madero
Quanto: gratuito
Inscrições no link https://tinyurl.com/y9rbkvch

Vamos lá conferir de perto? 

Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz



ISBN: 9788568703076
Autor (a):  Andreia Evaristo
Tradução: -------
Número de páginas: 118
Ano: 2016

Editora: Areia
Pontuação: ♥ ♥

Quando vi a capa e o nome, logo imaginei que fosse um daqueles romances de adolescente. No entanto, ao ler a descrição, percebi que se tratava de um livro de crônicas - um dos tipos textuais que mais gosto de ler! É lógico que não pude deixar de ir ao lançamento, comprar e lê-lo (ou devorá-lo, como queiram entender). 

Como sempre, fui lendo e fazendo meus destaques com post-it... dessa vez o livro ficou rosa (ainda mais do que já era). E confesso que enquanto lia as primeiras páginas, masquei um ou dois chicletes que peguei durante o lançamento, afinal, o nome do livro pedia que eu fizesse isso: chiclete pra guardar pra depois :) 


Sobre o livro: "Chiclete pra guarda pra depois" é composto por uma coletânea de crônicas; todas muito bem escritas, com enredo bom de se ler. O layout, diagramação e o tamanho do livro, estão dentre os meus preferidos. Como vocês já sabem, adoro quando o livro tem espaço para anotações e para colar o post-it sem estragar a escrita. Em geral, poderia dizer que, assim como outros livros de crônicas Chiclete pra guardar pra depois é um daqueles para ler e reler, em especial por apresentar crônicas com diferentes estilos, enredos e até público (por que não?!). 

Não sei se já disse por aqui,  mas acredito o sentimento de amar ou odiar uma crônica sempre tem a ver com o momento em que vivemos, parece que é uma daqueles tipos de textos que tem que falar com a gente. Ou seja, tem "a hora certa" para ser lido.

Dentre as crônicas do livro, tiveram algumas pelas quais me encantei demais. Ri, chorei, lembrei do meu tempo de adolescente, das paixões, alegrias e tristezas... e ainda, encontrei a Ana adulta, professora, moradora de Joinville em diversos textos... Aliás, esse é um dos aspectos bons da leitura, né? E, como de costume aqui no blog, eis as frases que mais gostei!




Não é culpa minha: uma daquelas crônicas que faz qualquer um repensar a atitude tão costumeira de culpar os outros... não é que o azedo que ela sentia dentro do ônibus era do seu iogurte derramado e não do garoto, adolescente, ao seu lado?! 

"Saio de um ônibus e entro em outro. Ônibus cheio de adolescentes indo para a escola. Eles falam alto, riem alto, são um exagero. Pelo menos é isso o que eu pensei nessa manhã" p. 13 

(isso realmente me irrita. Sério que eu era assim? Não é possível, não consigo acreditar que um dia fiz algo similar...)

Espelho, espelho meu, esconde a celulite que já cresceu: 
Sobre as celulites: 
"lá estavam elas, sorrindo para mim, com a boca arreganhada e os dentes aparecendo. Quase gargalhavam as danadas." p.15 

(confesso que fiquei imaginando as celulites dando gargalhadas como o gato da Alice!kkk)  

A sua realidade
"[...] no fundo não me sinto com 26 anos de idade. Sei lá, a minha mãe, aos 26, tinha uma casa, um fusca, três filhos e um marido. Eu nem tenho ainda uma bicicleta." p.19

Jeito para essas coisas
"o caso é que há três dias não lavo a louça. Nem eu, nem meu marido. Somos dois adolescentes casados, que ficam jogados no sofá o dia todo, assistindo vídeos na tevê ou no youtube, bebendo refrigerante e comendo besteiras." p. 26

Adultescência
"Se antes vocês se viam todos os dias, passam a se ver nos finais de semana. Depois uma vez por mês. Quando você percebe, caiu na cilada de encontrar seu amigo duas vezes por ano: no seu aniversário e no dele. Trágico e real." p. 30
Chiclete pra guardar pra depois

"[...] o chiclete, esse aliviador de tensões e odores, essa borrachinha saborosa e perfumada, é o amor que entregamos aos amigos."p.38

"entregar um chiclete para pode ser uma atitude boba para um adulto. Mas para um adolescente é mais que isso, é a partilha, a amizade em pedacinho, é um pouquinho do amor. sim, pra guardar pra depois." p. 38
Papai Noel, o que eu fiz de errado? 
"Se antes eu precisava ser forçada a comer tudo, por que senão o Papai Noel não ia gostar de minha atitude, hoje ninguém precisa falar nada: eu como tudo e repito se possível" p. 43 
Um gato chamado felicidade
"eu sei, caro leitor, que você gostaria mesmo que a felicidade fosse um cachorro, mas infelizmente não é. Se fosse um cão, as coisas seriam muito mais fáceis - você estalaria os dedos, assobiaria chamando, e a felicidade viria correndo em sua direção, abanando o rabinho. Mas como eu já disse, a felicidade não é um cachorro." p,47
Chuva de setembro
"Uma menina, de seus seis, sete anos de idade, volta da escola sozinha. A chuva não é capaz de atrapalhar-lhe os planos de ser feliz com sua sobrinha de arco-íris iluminando o dia. Nos pés a galocha vermelha que percorre uma a uma todas as poças de lama que encontra pelo caminho. Quando a água respinga, ela gargalha - e o barulho da sua alegria inunda meus ouvidos." p.111 

E você, gosta de ler crônicas? Também acredita que cada uma tem o seu "tempo" para ser lida?

Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz
ISBN: 8522015392

Autor (a): Jana Rosa, Camila Fremder
Tradução: ---------
Número de páginas: 208
Ano:
2013
Editora: Editora Agir
Pontuação: ♥ ♥


Sinopse do Skoob: Em Como ter uma vida normal sendo louca: a autoajuda definitiva para todas as mulheres, de todas as idades e em todas as situações, Camila Fremder e Jana Rosa presenteiam as leitoras com dicas sobre as mais diversas situações do dia a dia, desde como se livrar de pessoas chatas em aviões, parecer intelectual, mesmo sem ser, até como dizer a um amigo que ele fede. Além disso, ainda ensina como se comportar na festa do encontro da turma da escola depois de muitos anos passados da formatura. O livro é interessante da primeira à última página e apresenta uma visão muito bem-humorada de situações que poderiam constranger qualquer pessoa. O prefácio é de Gloria Kalil.

Como ter uma vida normal sendo Louca é um daqueles livros para tirar frases e ler de forma aleatória, simplesmente para passar o tempo e dar risada (ou não!). 

Tive vontade de comprá-lo quando vi a capa. Umas semanas depois, vi na biblioteca do colégio e peguei emprestado. Ainda bem que não comprei. Não é um daqueles livros para ter em casa, na estante. É apenas para passar o tempo. 

Apesar de ter uma diagramação e escrita legal, não curti o excesso de piadinhas que são feitas. Se o livro fosse menor, acredito que minha impressão não teria sido tão negativa. (Poderiam ter feito livro um e dois, quem sabe dessa forma o leitor não se cansaria!). O livro não conta uma história em si. É um "manual" para faze/ser alguma coisa/alguém. 

Como geralmente faço, selecionei algumas citações! 
"Ensinamento 30: a mentira nas redes sociais Este ensinamento não deveria ter esse título redundante, porque não existem redes sociais sem mentiras." p. 202


"O sucesso de uma indireta é proporcional à perturbação que ela causa em quem lê ou ouve. E quanto mais abrangente a indireta for, maior o número de pessoas atingidas e maior será seu êxito." p.161


"Na balada, dependendo da quantidade de álcool ingerida, do nível de miopia e da carência, as pessoas tendem a parecer um pouco mais bonitas e interessantes." p.83


"Hoje em dia todo mundo quer ser cool. Muito cool. Não basta ser legal, tem que ser legal em inglês, que é diferente do legal que usamos para descrever o amigo. O cool é o que existe de mais descolado, moderno e antecipado nas tendências." p.35


"Nada é mais cafona do que expor seu relacionamento em redes sociais com fotos, textos e declarações." p.33


"Mais chique do que ter namorado é não ter tempo para ter um namorado." p.18


"Estar no limbo das solteiras é acordar desejando vida nova na segunda-feira, para entrar em depressão na sexta. Fazer cinco dias de dieta, pra comer a panela inteira de brigadeiro no domingo." p.17


"maldição do limbo das solteiras: a solteira que fica com os caras que estão emocionalmente indisponíveis e só querem se divertir. Logo que a solteira intermediária se cansa e cai fora, o cara arruma uma namorada em três dias e leva pra festa de oitenta anos da avó no primeiro mês." p.16

"é um complô do universo. Por exemplo, a maioria dos pratos nos restaurantes foi feito para duas pessoas, porque todos namoram, até mesmo os animais, que vivem acasalando." p.14


"nos dias de hoje, ser solteira pode ser a pior coisa do mundo, e, por mais que você não concorde, as pessoas vão sempre te olhar como se você tivesse uma doença contagiosa e vão fazer de tudo para tentar te curar desse mal." p.13
E você, gosta desse tipo de livro? Já leu esse ou algum outro similar?

Particularmente não é o meu tipo de literatura preferida, mas às vezes é bom ler esse tipo de livro para relaxar...

Agora vou nessa! Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz
ISBN: 13: 9788568326008
Autor (a): Françoize Boucher
Tradução: Marcos Marcionilo 
Número de páginas: 112
Ano:
2014
Editora: Pá de Palavra
Pontuação: ♥ ♥

Sinopse (do Skoob)Esse é um livro hiperengraçado, que traz cinquenta razões para se devorar o máximo de livros durante a vida toda, sem engordar. Ao mesmo tempo, os leitores encontrarão um livro que os matará de rir, que descreve em imagens e em sentido próprio tudo o que os livros podem fazer em uma vida toda: como se enriquecer em contato com temas apaixonantes? Como se identificar com um herói sem perder o pé da realidade? Como nunca se sentir só, mesmo calado, lendo?… Todos os prazeres ilustrados com desenhos que fazem gargalhar. Até os mais resistentes à leitura se deixarão levar pelas ilustrações e pelo texto irônico e bem-humorado da autora.

Meus pareceres: "O livro que faz amar os livros" é um daqueles livros que não considero exatamente livro, (ok, eu sei que esse período ficou repetitivo, mas deu para entender, né?) pois não tem uma história a ser contada. É basicamente um "manual" com rasões para convencer alguém de que ler é bom!

Como já estou convencida disso há anos, escolhi ler esse livro apenas por curiosidade - e também porque o livro é lindo!. Apesar de não ser um daqueles livros que eu leria novamente, achei criativo, fofo e instigante... até consegui destacar algumas passagens e rir um bocado. Ou seja, a leitura dele não foi de todo inútil hehehe

Vamos às frases que selecionei... (a maioria eu fotografei, já que não teria graça alguma se só escrevesse!

"Você não é obrigada a ler os livros que agradam a TODO MUNDO, tente encontrar os livros que LHE AGRADAM porque você é ÚNICO no mundo..."   







É ou não é lindo? Se você ficou curioso para conhecer ainda mais esse livro, aqui tem um pouquinho dele >>> O livro que faz amar os livros <<<<

Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz
ISBN: 13:9788581635415

Autor (a): Gayle Forman
Tradução: Amanda Moura
Número de páginas: 224
Ano: 2014
Editora: Novo Conceito
Pontuação: ♥ ♥


Sinopse: A última coisa de que Mia se lembra é a música. Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.


Meu ponto de vista: há algum tempo descobri que sou apaixonada por livros, filmes e séries que viajam no tempo... no liro Se eu ficar, por mais que a personagem principal não viaje no tempo exatamente, ela está "em outra dimensão", então, o efeito em mim é o mesmo: fico presa à leitura e não tenho vontade de parar de ler...

Pode ser que para algumas pessoas esse livro seja uma afronta às crenças religiosas, enquanto que para outras pode ser que seja exatamente (ou muito próximo) o que acredita ser que aconteça quando morremos, ou melhor, quando estamos em estado de coma. Para mim, que há tempos não sigo uma Igreja nem religião ao pé da letra, e que acredito na conversa entre pessoas em estado de coma e o resultado que causa, foi simplesmente uma ficção divertidíssima e emocionante de ser lida. 

A narrativa em primeira pessoa é surpreendentemente bem-feita. O design gráfico e a linguagem utilizada durante a história também são muito bem-feitos. Se tivesse que definir em uma palavra a história seria: eletrizante. 

O livro é uma lição de vida, faz com que a gente reflita o quanto estamos dando de atenção para coisa, atitude e pessoas a nossa volta e o quanto realmente deveríamos dar. Mia tem uma vida "perfeita", é amada, faz coisas legais e tem uma família digna de comercial de televisão. Mas até antes do acidente, ela não vê assim!

Para fechar com chave-de-ouro e dar ainda mais vontade (ou não) de ter esse livro em mãos, separei algumas das frases/passagens que mais gostei no livro Se eu ficar. Se você não gosta de spoiler, saia agora mesmo daqui!



Durante o traslado do local do acidente ao hospital...
"-vamos chegar lá em quinze minutos se você voar de verdade. -Posso até imaginar o que o cara está pensando. Que não vai me fazer nada bem sofrer outro acidente a esta altura, e tenho que concordar." p. 21


Sobre a equipe de enfermeiras...
"são sempre rudes e apressados, como se não considerassem as pálpebras dignas de delicadeza, e isso me faz perceber as pouquíssimas vezes em que tocas as pálpebras de alguém durante a nossa vida." p. 65


Enfermeira...
"_Vocês podem achar que são os médicos que controlam o show - diz ela, gesticulando na direção dos aparelhos. _ Nã-não. É ela quem controla o show. Talvez, ela esteja só esperando a hora certa. por isso, conversem com ela. digam que pode usar o tempo que for necessário, mas que volte, porque estão esperando por ela." p.70



Mia...
"E eu sabia que quando ficávamos juntos, sozinhos, poderíamos conversar por horas e horas, ou simplesmente ficar lendo um ao lado do outro, cada um com seu iPod ligado e ainda assim, nos sentíamos completamente unidos." p.79



Mia...
"Adam sempre fica surpreso quando  que minhas mãos, mesmo em pleno verão e mesmo depois de nossos encontros mais quentes, continuam geladas." p.163



Mãe da Mia...
"Você lava, eu seco. Vamos conversar enquanto isso. Água morna e sabão. Isso sempre serviu como um calmante para mim."p.173



"Estes restaurantes se acham demais, mas na verdade são apenas versões mais caras, mais enfeitadas, do McDonald's." p.205

A editora lançou ainda um livro "parte 2", o "Para onde ela foi", que é contado pelo Adam... só li o primeiro capítulo (estava no final desse livro aqui!)... escutei falar bem e mal. Ainda não decidi se lerei inteiro. Acho que sim. Quando o fizer, contarei por aqui. 

E vocês, já leram esses livros ou só foram ao cinema vê-los em filme mesmo?

Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz
Olá!

Quem ama livro e escrever sobre eles sabe bem o que é desejar uma parceria com as editoras; sabe também que está cada vez mais difícil de conseguir. 

Essa semana recebi uma proposta da Editora Selo Jovem que achei MUITO interessante. Além da seletiva anual de blogueiros, disponibilizaram o selo "Amigo Sejo Jovem". Ou seja, os blogueiros que tiverem esse selo (sem seletiva!!!) passará a ter benefícios com a editora: sorteios mensais entre os amigos/parceiros, valendo marcadores, livros, camisetas, banners e vários outros brindes. Descontos de até 50% na compra dos livros da editora, e ainda, também poderão participar do programa de leitura beta, além de estar em contato direto com a editora, a fim de facilitar a entrada na próxima seletiva de parceiros.
Legal, né? Se você também é blogueiro, confira o regulamento completo nesse link: Amigos da Selo Jovem 

Sobre a editora:
A SELO JOVEM é uma ideia formada entre amigos escritores. O objetivo da Selo jovem é publicar obras com 100% de qualidade literária, sem pressa e trabalhando duro na revisão dos textos. Contamos com ótimos profissionais desde; diagramadores, revisores, capistas, design e uma gráfica de qualidade.

A selo jovem foi fundada no mês de Março 2013, preparados para ingressar nesse mercado demos os primeiros passos e publicamos nossos primeiros livros. Entre nossos títulos. Como toda empresa estreante tivemos problemas com preços, qualidade e prazos, mas jamais desistimos e continuamos trabalhando a fim de ganhar experiência e amadurecer a cada dia.

Hoje, contamos com 40 títulos publicados. Recentemente adquirimos nossa gráfica própria e passamos a produzir os livros internamente. Nossos profissionais obtiveram experiência e aprenderam a trabalhar de maneira simples e objetiva, estamos constantemente contratando profissionais na área de revisão e buscamos por novos trabalhadores nas áreas de marketing e traduções.

Além de um quadro profissional totalmente renovado, firmamos contrato com os correios e nossos títulos recebem frete fixo para todo o território nacional. Nossos livros possuem a mesma qualidade de outras editoras, todos os livros são costurados e colados, optamos pelo papel pólen bold, nossas capas são impressas em papel supremo e cartão triplex. Atualmente temos livros nas medidas 14 x 21 cm, 16 x 23 cm e 12x 17 cm.


Apesar de novos no mercado somos conhecedores das dificuldades encontradas no Brasil, tanto para escritor / Editor.

Sorteio 20/03/16
Acompanhe a editora Facebook|Twitter 

Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz
ISBN: 9788580572773
Autor (a): Matthew Quick
Tradução: Alexandre Raposo
Número de páginas: 256
Ano: 
2013
Editora: Intrínseca
Pontuação: ♥ ♥

Sinopse Skoob: Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele 'lugar ruim', Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um 'tempo separados'. Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com o pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida.

Minhas impressões: 

Desejei o livro "O Lado Bom da Vida"por muito tempo e sempre acabava enrolando na hora de comprá-lo. Há alguns dias, fiz uma troca com a Flavia Fucci, que conheci através do Skoob (dei o livro As vantagens de ser invisível, que resenhei aqui e ela me deu esse).  Comecei a leitura na sexta-feira e hoje (domingo) acabei. Foi uma daqueles livros que não dava vontade mais de parar. E hoje, quando acordei, peguei meu chimarrão, uns pacotes de biscoitos e não levantei enquanto não terminei de ler. Foi ótimo. 

Apesar da história parece MUITO dramática e triste nas primeiras páginas, o autor soube prender o leitor e levá-lo até o final do livro sem perder a vontade de continuar lendo. E como de praxe (da editora Intrínseca), a diagramação do livro é perfeita. 

A história é intensa e ao mesmo tempo fluida. Quem já passou por término de relacionamento, ou ainda, conviveu com alguém que passou por isso, certamente vai se encontrar em algum momento. Não é um livro triste, nem daqueles, melosos; menos ainda um livro de autoajuda.

Como o livro acaba sendo um diário, acabei convivendo com o personagem de forma tão íntima que praticamente não encontrei espaço para meus post-it e indicações de frases prediletas (e não fiquei chateada com isso, o que é raro rsrs...

Em fim, diria que um diário de superação. Quando a dor é tão forte que o corpo não pode aguentar, é necessário ver o lado bom da vida, encontrar o sol em meio as nuvens e recomeçar. 

E agora, alguns dos meus poucos post-it no livro O Lado Bom da Vida
Isso me faz rir, porque ele é meu terapeuta e eu não sabia que terapeutas podiam gostar de futebol americano.  p57

[...] A vida não é um filme de censura livre para fazer com que a pessoa se sinta bem.  Muitas vezes a vida real acaba mal [...]p.193

Você precisa de amigos, Pat. Todo mundo precisa.p.254

Não assisti ao filme e nem sei e quero. Às vezes prefiro ficar apenas com o livro mesmo.

E vocês, já leram esse livro?

Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz
ISBN: 9788580570632

Autor (a): Ines de la Fressange
Tradução: Adalgisa Campos
Número de páginas: 240
Ano:
2011
Editora: Intrinseca

Pontuação: ♥ ♥

Sinopse Skoob: Quais são os segredos do bom gosto parisiense? Ines de la Fressange – ícone da elegância na França – conta o que aprendeu sobre estilo e beleza durante décadas de experiência na indústria da moda. Ela dá conselhos de como se vestir com o encanto das parisienses e sugere um guarda-roupa a partir de apenas sete itens básicos e bons acessórios, que garantem produções práticas e elegantes. Suas fontes preferidas para verdadeiros achados e soluções de vestuário, beleza e decoração – disponíveis on-line e em Paris – são acompanhadas por fotografias de moda, nas quais a modelo é sua filha, e por desenhos assinados pela própria Ines. Esse guia inclui endereços da Paris secreta da autora: hotéis, restaurantes, spas, lugares fora do circuito turístico oficial e uma seção feita sob medida para a diversão das crianças. Escrito com humor e verve, em colaboração com a jornalista de moda da Elle, Sophie Gachet, A parisiense é o roteiro fundamental para conhecer os endereços mais charmosos da capital francesa.



Minhas impressões: "A Parisiense - o Guia de Estilo de Ines de La Fressange": o nome do livro com certeza expressa o que ele é. Vi muitos leitores reclamando que não tem conteúdo, que é um classificados de lojas impresso, e por aí vai... sério mesmo que antes de comprar a pessoa não lê nem a sinopse do livro? 


De fato não é um livro que conta a história da moda ou ainda, que te ensine a ser uma mulher parisiense. O livro é um guia sob o olhar de uma pessoa específica, que traz a lista dos seus gostos e dicas de lugares (pagos ou não para aparecer ali)...

Apesar de não morar em Paris, e desse lugar não estar entre os primeiros da minha lista de desejos de viagens, gostei muito do livro. Pois mesmo quando a autora compartilha suas lojas e lugares preferidos, ela não deixa de dar uma pincelada nas dicas de como e por que comprar ou fazer tal coisa. Para quem gosta de ter alguém ou ideias para se inspirar, é com certeza uma ótima leitura.  Sem falar que a edição é linda! 

Mesmo não sendo um manual da moda, a autora deixou pistas... Diria que ela colou em prática o ditado: "para bons entendedores, meia palavra basta" hehe 

Para entender o que estou falando, eis algumas passagens e imagens do livro!

Descombine!
“Nada de usar tudo combinadinho!” é o grito de guerra da parisiense. Descombinar e não ser elementar é seu esporte preferido. Acrescentar dois ou três detalhes um pouquinho absurdos pode transformar uma produção, dando-lhe um ar ligeiramente maluco. 
"Veja minhas dez melhores ideias — da menos arriscada à mais ousada — para descombinar o seu visual à la Parisienne."



Dê o play e confira o booktrailer que a editora disponibilizou.


Então, se você ainda não leu esse livro, lembre-se: não é ficção, é um guia com dicas pessoais da autora!

Um abraço, boa leitura e até a próxima parada!
Ana Laura Queiroz
ISBN: 9788577343232
Autor (a): Heloisa Seixas
Tradução: --------
Número de páginas: 176
Ano:
2013
Editora: Casa da Palavra|Editora Leya

Pontuação: ♥ ♥


Sinopse Skoob: Assim como os livros, as comidas também são capazes de contar histórias. Despertam emoções, provocam sensações e fazem as pessoas lembrarem personagens marcantes. Algumas são capazes de traduzir com perfeição o sabor de tempos passados, provocando um gostoso sentimento de saudade em quem as aprecia. Nesta obra, Heloisa Seixas ultrapassa os limites do gênero de receitas, misturando-o com memórias, reflexões - e até com ficção.

Meus pareceres: Ganhei o livro "Uns cheios, outros em vão" da Heloisa Seixas em dezembro de 2014, num sorteio que rolou no blog Mulher Vitrola da +Renata Montenegro. Na época, compartilhei a imagem do recebimento no Instagram do meu outro blog@truquesdemeninas

Ao recebê-lo já fui logo folheando para ver o que viria pela frente. Confesso que fiquei um pouco assutada (e feliz!!!) quando percebi que junto aos contos e relatos da autora, tinham várias e várias receitas. Apesar de eu não ser uma cozinheira nata, tenho me aventurado cada dia mais nesse universo e estou sendo literalmente "dobrada" e vencida pelo estômago...


O livro é divertido e ao mesmo tempo desperta uma curiosidade e tanto a cada parte que eu ia avançando. Acabei lendo de maneira intercalada à outras leituras, já que não era exatamente o sentimento de descontração que eu sentia ao longo de leitura desse livro e sim, um sentimento de "escutar alguém contar sua vida", entendem? É como se eu estivesse o tempo inteiro conversando com minha mãe, tias, avós e escutando-as contarem fatos da família... Um sentimento bom, mas ao mesmo tempo, que requeria ouvido!

Hoje, mais de um ano após ter recebido o livro, finalizei a leitura. Cheia de vontade de fazer as receitas (algumas, segundo meu marido, lembram as receitas da família dele; e sim, queremos arriscar colocá-las em prática!). 

Além das receitas, conheci um pouco mais dessa família da Heloisa Seixas (assim tive a impressão, pelo menos). É engraçado "escutá-la" falando do Raul Seixas, como Raulzito... e mais ainda, imaginá-lo fazendo as suas artes, como por exemplo, enganando-a sobre os pintos nas claras de ovos... É engraçado ver alguém que não conheço, falando de sua vida de uma forma tão íntima a tal ponto de me fazer sentir próxima dela. 

A sensação que tenho é de que se encontrasse com a Heloisa hoje, convidaria para comer uma torta, tomar um café e colocar a fofoca em dia kkkk Enfim, é um daqueles livros para quem gosta de escutar histórias e causos de família. E em especial, para quem gosta de comidas ;) 

Ah, e como sempre, fiz alguns registros de passagens/frases do livro que mais gostei...

"Vivemos tentando deixar nossas pegadas, apressados entre o início e o fim da viagem, sem saber ao certo o que acontecerá. E a vida passa num sopro, uma rajada, não dura mais do que alguns minutos diante do arco da eternidade."
 p.17

"O homem só gosta daquilo que comeu na infância. (Nelson Rodrigues)"
 p. 32 

"Então, agora é proibido comer, é proibido não ter músculos, é proibido ser feio, é proibido envelhecer. 
O padrão de beleza vigente é irreal." 
p.35

"Para quem é, bacalhau basta." 
p. 117

Além das frases, separei receitas que quero colocar em prática o mais breve possível e uma lista de frutas que ainda quero comer (já amo frutas e várias das listadas pelo autora não são comuns na minha região). 

  • Queijo do Reino p.129
  • Alfenim p.138
  • Jambo, jamelão, cajá-manga, graviola, caju, fruta-pão, seriguela, mangaba, tamarindo, carambola. p.147
  • Biscoitos amanteigados p.154
  • Torta de coco da Ju (toalha felpuda) p.156

Por hoje é isso! Que 2016 seja um ano repleto de livros bons! 
Um abraço, boa leitura, feliz ano-novo e até a próxima parada!
Ana Laura
author
Ana Laura Queiroz
Formada em Letras Português/Espanhol. Autora, professora e blogueira. Lê e escreve por paixão e por profissão. Para solicitar a prudução de um artigo, entre em contato.